Untitled

Team Buffer Killers
Team fundraising page for Team Buffer Killers

Paternidade

Eu achava que a paternidade não seria fácil. Achava que teria alguma transformação, uma mudança no estilo de vida e tals. Mas eu sempre tinha achado que seria uma alteração externa. Eu entendia que dormiria menos, que daria trabalho, aquelas coisas todas que as pessoas adoram dizer para os casais grávidos em geral:

– “Aproveite pra dormir agora, heim!”; “Pode se despedir do videogame”; “Depois de 20 anos passa”; e por aí vai.

E, de fato, foi tudo por aí mesmo até agora. Mas o que ninguém tinha me dito, e eu não tinha lido em nenhum livro de paternidade, é o quanto esse processo iria me transformar por dentro. Quando as pessoas falam que ter filhos mudam, não é simplesmente o estilo de vida. É uma transformação real da pessoa que elas são.

O que é que mudou pra mim? Pra começar, uma compreensão maior da própria mortalidade. A própria morte passa a ter uma significância e puxa desdobramentos maiores, e você passa a pensar muito mais no futuro, na velhice, no longo prazo. Aposto se compararmos a poupança média de pais vs. não pais, descontada a idade, deve dar uma boa diferença. Mas a questão não é só prática, é filosófica também. A questão da irrelevância da presença humana no planeta e no universo fica mais visível quando você se vê no papel reprodutório, sendo mais uma bactéria se multiplicando no cosmos.

Em seguida, a minha visão dos meus próprios pais e avós também mudou. Só com trinta e tanto anos consegui compreender muitos dos esforços e sacrifícios dos meus próprios cuidados, tantas vezes esquecidos e que mal recebem um telefonema.

Outra coisa que mudou é, na minha cabeça, como eu processo os sentimentos. Eu sempre fui um cara super racional e pouco emotivo. O fato real de ter que lidar com criaturas que são basicamente irracionais quando nascem, e vão ganhando essa capacidade de maneira gradual foi um desafio que, de novo, me mudou consideravelmente. Hoje eu processo as coisas muito mais emocionalmente. Choro, muito mais. Outro dia vi essa foto no meu feed de notícias. Não sei quem é o fotógrafo, mas ela mostra refugiados sírios, com pais fugindo com seus filhos. Só de ver a imagem, e imaginar a situação, eu comecei a chorar, ali mesmo (acho que estava no banheiro do trabalho). Isso não acontecia comigo antes. Essa sensação empática é uma novidade. Não vou nem falar de quando assisti o Inside Out (Divertidamente, em português) num vôo para o Brasil e chorei de soluçar. Não é só choro, claro. É ter mais vontade de abraçar, de beijar, de ficar junto. De fazer carinho. Ainda precisamos dar mais risadas, mas acho que isso ainda vem.

Uma outra transformação (ou resgate do passado), foi a desconexão. Colocar bebês para dormir é um aprendizado de meditação e contemplação. A vontade de olhar para o celular, a sensação de querer fazer outras coisas é real, e todo o dia eu aprendo a aproveitar aquele momento de lusco-fusco pra fazer um carinho, para prestar atenção, para perceber as diferenças, para refletir sobre o dia.

Muitas pessoas se perguntam o valor de ter filhos, e muito se fala ou do sentimento maravilhoso de ter crianças, de rir junto, de voltar a brincar, ou do outro lado de falta de sono, do sofrimento e das privações. Mas acho que se fala pouco do lado de dentro, e do valor que isso trás. Eu não sei dizer se estou virando uma pessoa melhor, mas definitivamente estou virando uma pessoa diferente, e estou tentando entender esse processo e o valor que ele tem. Vou atualizando vocês, veremos o pé que está daqui a um ano.

Até!

1o aniversário

E de repente, assim sem mais nem menos, faz um ano que virei pai de duas meninas. Aquele primeiro ano de dias longos e semanas que voam. O ano que você mal se lembra do que aconteceu, e que mal reconhece quando vê as fotos.

Ver duas bolotinhas se transformando lentamente em pessoinhas, que agora ficam de pé, conversam em sua língua nativa (bebê), fazem manha e tem preferências, é impressionante. Ver a cara delas todo dia que chego do trabalho se transformando numa empolgação gigante é o maior motivador do dia-a-dia.

Mas quem mais me surpreendeu nesse último ano é a maior heroína desse processo todo, que é a Iara. Que segurou a onda, se recuperando de uma cesárea e pós-parto com pressão alta, que segurou a diabetes gestacional com dieta, que fez o possível para amamentar duas de uma vez, que dia após dia acordou e dormiu com elas, que tantas vezes acordou as 3 da manhã para colocar uma chupeta e, intencionalmente, deixar eu dormir.

As meninas nunca vão saber o que foi esse primeiro ano, nem lembrar das fotos e vídeos. Mas a força, companheirismo e perseverança no dia de dia de fraldas, mamadeiras e lavação de roupa, só a gente que vai lembrar, pra sempre.

Parabéns pelo 1o aniversário de mamãe, mamãe Iara.

This, plus flu, is what happened in the last two weeks.

 

For people that want to understand a bit better what I do at work. https://www.youtube.com/watch?v=IA0JlGQpsUI

Quem dera todo preconceito fosse desse tipo: