Hoje morreu o Malcolm Young, guitarrista do AC/DC, uma das minhas bandas de rock favoritas. E isso combinou um monte de emoções malucas, e enquanto ouço um playlist matador com os riffs do Australiano, explico aqui daonde veio esse monte de emoções, e o título.

Eu tive a sorte de ir no show da última turnê que ele particpou, o Black Ice. Foi lá que eu pedi a Iara em casamento, como contei aqui no blog. Ao som de Moneytalks com o solo de Young, eu dava um passo na vida.

Eu lembro de quando fiz a minha última entrevista para entrar no Google, o meu emprego dos sonhos. Era uma sexta feira, chovendo em São Paulo, e pela manhã deixei meu pai no Hospital das Clínicas da Unicamp, que se tratava de um câncer nas cordas vocais. Meu pai não morava em Campinas, e eu tentava ajudá-lo na medida do possível. Somado ao estress da entrevista, não sabia o que ia acontecer no hospital.

Mas lembro que deixei de presente para ele esse livro que contava a história do AC/DC. E fui dirigindo para São Paulo, com a cabeça cheia. Fiz a entrevista (na verdade, uma apresentação, para funcionários do Google Brasil e do Google em Mountain View), e voltei pra ver meu pai, que estava bem.

No final, passei na entrevista, e fui trabalhar em São Paulo no meu emprego dos sonhos, onde fui morar com minha namorada de longa data, a Iara, dando mais um passo. Depois naquele ano, me casei (com AC/DC no playlist da festa, claro).

Ontem foi aniversário de 60 anos do meu pai. Rock’n’roll ain’t noise pollution man.

 


No Responses to “Malcolm Young, meu casamento, meu pai e o Google”  

  1. No Comments

Leave a Reply